Logo da República do Brasil - Justiça Federal da 5ª Região
Link do Tribunal Regional Federal da 5ª Região
Imagem do Portal da Justiça Federal
Portal da Justiça Federal da 5ª Região TRF5 Sustentável Selo Justiça em Números

Segunda Turma do TRF5 confirma condenação de réus por roubo à Agência dos Correios de Abreu e Lima (PE)

10/07/2019 às 19:39:00

A Segunda Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região – TRF5 manteve, por unanimidade, a condenação dos réus Marcílio Rusivo Feitosa Tomé, Remisson Bezerra da Silva e Jones Roque da Silva pelo roubo realizado na Agência dos Correios no município de Abreu e Lima (PE) e também pelo crime de sequestro e cárcere privado. Os crimes foram cometidos no dia 7 de junho de 2013. A decisão do órgão colegiado confirmou a sentença condenatória proferida pelo juízo da 36ª Vara Federal de Pernambuco, tendo apenas reduzido a pena aplicada em desfavor de um dos réus, atendendo a pedido formulado pela Defensoria Pública da União (DPU) nos autos da apelação criminal 0010955-89.2013.4.05.8300.

Na decisão do Segundo Grau, Marcílio Tomé teve a pena reduzida devido à revisão de seus antecedentes criminais, sendo condenado ao total de 10 anos e 10 meses de reclusão e ao pagamento de multa de 1300 dias-multa, com valor unitário fixado em 1/30 do salário mínimo vigente na data do crime. As penas de Remisson Bezerra e Jones Roque foram mantidas em 11 anos e 04 meses de reclusão e ao pagamento de 1500 dias-multa, também com valor unitário fixado em 1/30 do salário mínimo. Além do pagamento da multa, os três réus deverão pagar juntos a quantia de R$ 72.442,57 em favor dos Correios. Na sentença proferida pelo juízo da 36ª Vara Federal de Pernambuco, os três réus haviam sido condenados a mesma pena: 11 anos e 04 meses de reclusão e ao pagamento de 1500 dias-multa, com valor unitário fixado em 1/30 do salário mínimo vigente na época do crime.

“A sentença fora fundamentada - de maneira linear, minuciosa e precisa - apontando e alinhavando todas as provas da autoria e materialidade delitiva em relação a todos os crimes, inclusive com fulcro no reconhecimento dos apelantes por parte das vítimas, declarações das testemunhas e das próprias vítimas, etc. Cuidou ainda de evidenciar a ocorrência de concurso formal, na medida em que foram maculados os patrimônios de cinco vítimas distintas”, escreveu na decisão o relator do processo, o desembargador federal Paulo Cordeiro. O inteiro teor da decisão da Segunda Turma do TRF5 foi publicado no dia 26 de junho no sistema Processo Judicial Eletrônico (PJe). O julgamento da apelação criminal ocorreu no dia 18 de junho. Participaram da sessão os desembargadores federais Paulo Roberto de Oliveira Lima e Leonardo Henrique de Cavalcante Carvalho.

Segundo a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal (MPF), os réus participaram do roubo à Agência dos Correios no município de Abreu e Lima no dia 7 de junho de 2013. O crime foi cometido mediante sequestro e cárcere privado de reféns. Por volta das 8h15 da manhã, eles sequestraram um funcionário da agência na residência dele. Levaram o funcionário e um primo dele e o carro da vítima para realizar o roubo. Na agência, renderam o gerente e subtraíram R$ 72.442,57 do cofre da agência, bem como os pertences pessoais de cinco vítimas: a arma do vigilante da agência; R$ 730,00, o relógio de pulso e dois aparelhos celulares de um funcionário, um aparelho celular do gerente e um aparelho celular de outro funcionário.

Na apelação criminal interposta no Segundo Grau em nome dos três réus, a Defensoria Pública da União (DPU) alegou que inexistiam provas suficientes da autoria dos crimes de roubo, sequestro e cárcere privado. A DPU questionou, ainda, três aspectos da sentença: apenas os antecedentes criminais deveriam ser sopesados negativamente no cálculo da pena, o concurso formal deveria ser afastado e, por fim, deveria haver redução da quantidade de dias-multa.

Em seu voto, o desembargador federal Paulo Cordeiro afastou a inexistência de provas de autoria, citando trecho da sentença condenatória, na qual se considerou o reconhecimento fotográfico dos acusados realizado pelas vítimas do sequestro e do cárcere privado. “Os três acusados foram reconhecidos por fotografias em sede inquisitorial, logo após os acontecimentos (...). Não bastasse isso, destaque-se que o modus operandi empregado neste evento se revelou muito semelhante a assaltos anteriores pelos quais os acusados restaram condenados, como o roubo aos Correios de Casinhas/PE (Ação Penal nº 0001405-59.2016.4.05.8302) e o roubo aos Correios de Abreu e Lima/PE (Ação Penal nº 0010954-07.2013.4.05.8300)”.


Autor: Divisão de Comunicação Social do TRF5 - comunicacaosocial@trf5.jus.br

 Imprimir 

Top