Logo da República do Brasil - Justiça Federal da 5ª Região
Link do Tribunal Regional Federal da 5ª Região
Imagem do Portal da Justiça Federal

TRF5 promove campanha de doação de medula óssea

05/10/2017 às 19:00:00

Evento atraiu mais de cem novos voluntários ao cadastramento como doador

O Tribunal Regional Federal da 5ª Região – TRF5 promoveu, nesta quarta-feira (5), um dia bastante especial, com atividades de conscientização sobre a importância do transplante de medula óssea. O evento, destinado não apenas aos que trabalham no Tribunal, como também ao público em geral, contou com palestras ministradas pela coordenadora do Programa de Doação de Medula Óssea do Hemope, Josiete Correia Tavares, além de coletas de amostras de sangue de voluntários ao cadastramento como doador. A ação faz parte do projeto “Incentivo à Solidariedade e Prevenção da Violência no Trabalho”, do Núcleo de Assistência à Saúde (NAS).

Segundo a equipe do Hemope, foram contabilizados 113 cadastramentos na ação promovida pelo TRF5. O resultado superou a expectativa da entidade, que previa atrair cerca de 70 novos doadores. De acordo com o Diretor-Geral do Tribunal, Fábio Paiva, a iniciativa foi pensada levando em conta o número de servidores e o envolvimento deles com questões como essas. “Pensando na proporção do TRF e na quantidade de pessoas que sempre se mostram engajadas nesse tipo de atitude, resolvemos convidar o Hemope para vir aqui no Tribunal, com o objetivo de abranger o maior número de pessoas, adequando a ação à rotina de trabalho”, ressaltou Paiva.

Durante as palestras, Josiete Correia Tavares esclareceu várias dúvidas sobre o procedimento de doação e salientou a importância do cadastramento: “As chances de um paciente encontrar compatibilidade dentro da família é de apenas 25%. Essa possibilidade entre não aparentados é de uma para cada um milhão de pessoas”. Ela ainda destacou que o doador pode desistir do procedimento a qualquer momento. “O doador pode, a qualquer hora, optar por não fazer a doação, mas é importante lembrar que, fazendo isso, ele está tirando a esperança de uma pessoa que está lutando pela vida”.

Para a servidora do TRF5, Madalena Aguiar, as palestras foram bem proveitosas. “As explicações do Hemope foram bem esclarecedoras. A exibição do vídeo de uma jovem que realizou o procedimento de doação me sensibilizou. Resolvi aproveitar a oportunidade de cadastramento aqui no Tribunal e espero ser uma doadora compatível”.

Pessoas de outras instituições também compareceram para ajudar na campanha. A funcionária da Prefeitura do Recife, Tamires Macário, aproveitou a oportunidade oferecida pelo TRF5 para praticar a solidariedade. “Já estava interessada e faltava atitude. Depois que soube que ia ter essa ação aqui no Tribunal, resolvi vir. Espero que eu possa salvar uma vida”.

A gerente de relacionamento do Banco do Brasil, Fabiana Maia, também procurou o Tribunal porque sabe bem a situação de quem precisa de um doador. “Tenho uma filha de três anos que está com leucemia e precisou de doção. Ela não necessita especificamente de medula óssea, mas eu convivo com pessoas que precisam de transplante e sei da importância da doação, da solidariedade”, revelou.

Dados – Segundo a coordenadora do Programa de Doação de Medula Óssea do Hemope, Josiete Correia Tavares, o Brasil possui 206 milhões de habitantes e, destes, apenas 4 milhões são cadastrados como doador de medula. Em Pernambuco, esse número é de nove milhões de habitantes para 114 mil cadastrados. Ainda segundo a coordenadora, entre os anos de 2000 e 2017, foram encontrados 30 doadores compatíveis, sendo realizado o procedimento de transplante. Este ano, três pacientes tiveram êxito no transplante.

Doação – Para doar são necessários alguns requisitos, como ter entre 18 e 55 anos, ter boa saúde, não apresentar doença infecciosa ou incapacitante e apresentar CPF e RG. Os doadores compatíveis são atendidos por uma equipe multidisciplinar, para que o procedimento seja realizado da melhor forma possível. É importante esclarecer também que, caso o paciente que precisa do transplante esteja em outro estado, o doador não precisa se deslocar até lá: todo o procedimento de retirada da medula é feito no estado onde reside o doador. A exceção é no caso de não haver leito no hospital localizado no domicílio do doador, situação em que todos os gastos com o deslocamento até a cidade do paciente são custeados pelo Governo.

Quem não pôde comparecer ao TRF5 para ajudar na campanha pode procurar o Hemope, que promove palestras diárias às 8h, 10h, 14h e 16h sobre a doação de medula óssea e realiza a coleta de amostra de sangue para fazer o cadastramento. Basta levar documento original com foto. O Hemope fica localizado na Rua Joaquim Nabuco, 171, Graças. Outras informações também podem ser obtidas através do site do Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome): http://redome.inca.gov.br/ .


Autor: Divisão de Comunicação Social do TRF5

 Imprimir 

Top