Logo da República do Brasil - Justiça Federal da 5ª Região
Link do Tribunal Regional Federal da 5ª Região
Imagem do Portal da Justiça Federal
Portal da Justiça Federal da 5ª Região TRF5 Sustentável Selo Justiça em Números

Núcleo de Assistência à Saúde do TRF5 dá orientações sobre a febre amarela

22/01/2018 às 19:29:00

Muito se tem falado sobre a febre amarela, que vem assustando a população brasileira nos últimos dias com a divulgação de casos graves e até mortes decorrentes da doença. Mas o que você sabe sobre ela? Com o Carnaval chegando, muita gente viaja e várias dúvidas surgem sobre como proceder. É necessário que todos tomem a vacina? Ou há casos em que a imunização não é recomendada? O Núcleo de Assistência à Saúde (NAS) no Tribunal Regional Federal da 5ª Região – TRF5 falou sobre o assunto. Confira abaixo algumas informações importantes:

A doença

A febre amarela é uma doença infecciosa aguda, de gravidade variável e causada por vírus.

Transmissão

A transmissão se dá pela picada dos mosquitos transmissores infectados. Vale salientar que a transmissão NÃO acontece diretamente de pessoa para pessoa nem de macacos para pessoas.

Sintomas

Febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos. Nos casos mais graves, podem acontecer insuficiências hepática e renal, hemorragias, entre outros.

Tratamento

Não existe um tratamento específico. A recomendação é que o paciente receba assistência médica para controlar os sintomas e evitar complicações. Importante também permanecer em repouso e fazer reposição de líquidos.

Prevenção

A única forma de prevenir a febre amarela é tomando a vacina. Ela deve ser aplicada pelo menos 10 dias antes da viagem para as áreas de risco de transmissão da doença e pode ser aplicada a partir dos nove meses. Se a vacina aplicada for a dose inteira não será necessário dose de reforço. No nosso estado, a vacina está sendo administrada apenas naqueles que vão viajar para áreas de risco ou para países que exigem o certificado de vacinação.

Quem não deve tomar a vacina?

- Bebês com menos de nove meses;
- Gestantes;
- Mulheres durante o período de amamentação;
- Pessoas imunodeprimidas, portadoras de HIV, de tumores malignos, incluindo leucemia e linfomas, que utilizam medicamentos derivados da cortisona, estão em tratamento de quimio ou radioterapia, ou são portadoras de doenças que alteram o funcionamento do sistema imunológico;
- Pessoas com hipersensibilidade a algum componente da vacina (proteína do ovo, gelatina e antibiótico eritromicina).

Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP)

É um documento necessário para pessoas que estão viajando para países que cobram essa certificação para a entrada em seu território. Recentemente, Panamá, Nicarágua, Venezuela e Cuba passaram exigir a documentação, mas vários outros países solicitam o documento. O primeiro passo é acessar a página da Anvisa e verificar quais os locais que pedem a documentação. Depois, deve-se fazer o cadastro no site da Anvisa e dirigir-se a um posto de saúde (no caso do Recife, o posto é o Lessa de Andrade, no bairro da Madalena) com o comprovante de viagem. Nos postos da Anvisa, é possível emitir o certificado, embora não apliquem vacinas. Para tanto, é preciso apresentar cartão de vacina e identidade.

Locais de vacinação em Recife

Os postos de saúde que oferecem a vacina na Região Metropolitana do Recife são: o IMIP, o Lessa de Andrade e o Waldemar de Oliveira. Também é possível encontrar as vacinas em clínicas privadas.

 


Autor: Divisão de Comunicação Social do TRF5 – comunicacaosocial@trf5.jus.br

 Imprimir 

Top